Rui Guimarães alertou que “mais importante” do que aumentar o vencimento dos médicos é “reorganizar o SNS” e “criar um novo normal” porque a nova geração de clínicos “não está disposta” a trabalhar 15 ou 16 meses por ano.

Para o responsável pelo Centro Hospitalar de Gaia-Espinho, “não faz sentido” que os doentes “fiquem reféns” do impasse que o SNS atravessa e a solução passa por uma reorganização de serviços e oferta.