Acesso condicionado a feiras e mercados em Gaia

A Câmara Municipal de Gaia vai manter em funcionamento as feiras e mercados sob gestão municipal, uma vez que se verificou o cumprimento das recomendações de abastecimento rápido e desmobilização no passado fim de semana. Neste contexto, enquanto assim for, e porque se trata de locais de abastecimento de bens, a autarquia manterá as feiras abertas em regime de acesso condicionado, dando sempre a hipótese para que os cidadãos cumpram, antes de qualquer medida, os comportamentos cívicos impostos. Na próxima quarta-feira (18 de março), com a realização da feira dos Carvalhos, será feita uma reavaliação desta medida.

Perante esta decisão, a Câmara Municipal deixa as seguintes recomendações: acesso condicionado aos recintos das feiras e mercados ao ar livre, prioritariamente para suprir necessidades estritas; lavagem de mãos com frequência, com sabão ou com uma solução à base de álcool, antes e depois de realizar um atendimento, tendo especial atenção se se tratar de manuseamento de alimentos; guardar as distâncias de segurança entre utentes e comerciantes (um metro); ao espirrar ou tossir, tapar o nariz e a boca com o braço ou com lenço de papel que deverá ser colocado imediatamente no lixo.

O presidente da autarquia, Eduardo Vítor Rodrigues, lançou um apelo a todos os utilizadores atuais destes recintos, cujo acesso está condicionado: “Desloquem-se para estes espaços apenas em casos estritamente necessários e no objetivo básico de abastecimento”. “Não queremos para já fechar, dentro do limite do possível, porque as feiras respondem ao abastecimento de produtos básicos, que são fundamentais. Da mesma forma que estão abertos um supermercado ou uma mercearia, queremos muito que as feiras continuem a servir de espaços públicos de acesso restrito para abastecimento básico, com condicionamento de acesso”, acrescentou, garantindo: “Se não houver compreensão por parte dos cidadãos, seremos forçados a fechar, com perdas para todos. Para aqueles que, localmente, teriam abastecimento de bens essenciais e para aqueles que lá vendem. Por isso, com a mesma regra, disciplina e civismo com que pedimos às pessoas que vão ao supermercado com a contenção necessária, também peço que o façam nas feiras para evitar que tenhamos de as fechar. Porque esse é o nosso propósito: garantir o abastecimento básico a todos os cidadãos”, concluiu Eduardo Vítor Rodrigues.